Neste blog muita informação sobre a história da Bossa Nova.
Acesso direto às publicaçòes no Rádio Forma & Elenco sobre:

Wilson Simonal, - Maysa, - António Carlos Jobim, - Tuca

Zecalouro, - Elis Regina , - Dick Farney , - Zito Righi

sábado, 29 de novembro de 2008

50 Anos de Bossa Nova - Wilson Simonal com Lobo Bobo

.
Wilson Simonal - Lobo Bobo (Carlos Lyra e Ronaldo Bôscoli)

.



Lobo Bobo

do album A Bossa e o Balanço (1994)

está no RADIO MARTONI '08

sugestão do Franz




Lobo Bobo

Era uma vez um lobo mau
que resolveu jantar alguem
estava sem vintem
mas arriscou
e logo se estrepou
um chapeuzinho de maio
ouviu buzina e nao parou
mas lobo mau insiste
faz cara de triste
mas chapeuzinho ouviu
os conselhos da vovo
dizer que não pra lobo
que com lobo nao sai só

lobo canta, pede promete
tudo ate amor
e diz que fraco de lobo
é ver um chapeuzinho de maio

chapeuzinho percebeu
que o lobo mau se derreteu
pra vez voces que lobo
tambem faz pápel de bobo

so posso lhe dizer
chapeuzinho agora traz
um lobo na coleira que
no janta nunca mais

lobo bobo.......
.
Wilson Simonal foi mencionado no programa de F&E de 8 de dezembro 2007:
Início dos anos 60 e a popularização do termo e da BOSSA NOVA

.
50 Anos de Bossa Nova

.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

A Vida do Wilson Simonal não foi muito "Bossa Nova" - 1a parte

.
WILSON SIMONAL, SIMONAL, SIMONA, SI...

Colaboração de Franz Kreuther

O convite do Martoni para escrever um texto sobre Wilson Simonal de Castro me pegou de surpresa. Embora seja um ardoroso fã desse grande e original cantor desde meados da década de 1960, não sei se terei condições de traduzir no papel minha admiração e saudade. Dos cantores da minha adolescência, Simonal é sem dúvidas o que me deu mais alegrias, o que eu mais gostava de ouvir. Gostava tanto dele que, quando estudante da Escola Técnica Federal Celso Suckov da Fonseca, pintei nas costas do meu jaleco uma enorme caricatura de Simonal, com uma espécie de gravata passada pela testa e amarada do lado da cabeça. Era meu ídolo, e eu carregava com satisfação.
.
Como expressar o enorme deleite quando ouço suas canções e, sobre tudo, a tristeza que me dá sua falta no cenário musical brasileiro? Como traduzir, neste espaço tão pequeno, a grande, a amazônica indignação que sinto com a injustiça e vilania que vitimou esse que considero um dos 10 maiores artistas da música no Brasil? Como escrever algo que esteja à altura de seu enorme talento? Essas questões pularam da tela do computador no instante em que abri o e-mail.
.
No início da década de 1960, no balanço da Bossa Nova e na gestação da Jovem Guarda, começou a brilhar aquela que seria uma das estrelas mais fulgurantes do universo da música nacional: Wilson Simonal. Negro e de origem muito humilde, Simonal deu um duro tremendo até tornar-se um dos artistas mais populares do Brasil no fim dos anos 1960 e início dos 1970. Possuidor de uma voz e um estilo personalíssimo, invejavelmente afinado, com uma rara habilidade para a harmonia e divisão, Wilson Simonal logo tornou-se o primeiro cantor negro a ascender ao status de estrela maior da MPB. Em pouco tempo, graças a seu incomparável talento musical, conquistou merecido destaque, sobrepujando em popularidade (e em cachê!) os mais consagrados cantores de então. E isso, parece, despertou muita inveja, ciúme e intolerância.
.
Em 1971, no auge da carreira, Simonal descobriu que estava sendo roubado pelo seu contador. Quis dar uma de malandro esperto e chamou uns militares conhecidos pra dar um susto no salafrário. Eram os anos de chumbo da ditadura, e na confusão que se seguiu foi acusado de colaborador do regime militar. Foi taxado de dedo-duro entre os artistas. Pronto! Era tudo que os invejosos queriam. A imprensa sensacionalista, que sobrevive mais da miséria e fracassos alheios, tinha ali um prato cheio. O Pasquim, no qual publiquei alguns cartoons em 1975 ou 76, foi o principal veículo a caluniá-lo. O cartunista Sérgio Jaguaribe, o Jaguar, admitiria muito mais tarde que fizera tudo por impulso, e não se arrependia de ter destruído um mito. Penso que era por pura inveja ou outro sentimento mais torpe.
.
Ninguém tinha provas, era tudo um disse-me-disse, mas jamais alguém se interessou em confirmar as acusações ou dar voz ao negro para se defender. Toda comunidade de artistas, emprenhada pelo veneno destilado pela imprensa, lhe voltou às costas e as portas, antes escancaradas, cerraram-se. Wilson Simonal, amargurado, andou por quase 30 anos tentando provar sua inocência.
.
.
Albuns de Wilson Simonal no melhor blog da Música Brasileira:
.
50 Anos de Bossa Nova
.

sábado, 22 de novembro de 2008

João Gilberto no Carnegie Hall, 21 de novembro 1962

.

João Gilberto - Outra Vez




Outra Vez
do Album Bossa Nova at Carnegie Hall (1962)
está no Radio Martoni '08


Ontem fez 46 anos que houve o Concerto de Bossa-Nova no Carnegie Hall.

Este concerto foi mencionado no programa de F&E de 19 de janeiro 2008:
A internacionalização da Bossa-Nova e uma homenagem á Elis Regina
......Começaram a aparecer as primeiras gravações, e empresários (primeiro
americanos) já começaram a vislumbrar o brilhar verdinho dos dólares neste novo filão musical brasileiro. A próxima e principal tacada desta investida, foi o Concerto de Bossa-Nova no mais aclamado palco americano, o Carnegie Hall....Leia mais>>


Outra Vez
Outra vez sem você, outra vez sem amor
Outra vez eu vou sofrer, vou chorar, até você voltar
Outra vez vou vagar, por aí pra esquecer
Outra vez vou falar mal do mundo, até você voltar

Todo mundo me pergunta, porque ando triste assim
Ninguêm sabe o que é que eu sinto, com vocé longe de mim
Vejo o sol quando ele sai, vejo a chuva quando cai
Tudo agora é só tristeza, traz saudade de você

Outra vez sem você, outra vez sem amor
Outra vez eu vou sofrer, vou chorar, até você voltar

Todo mundo me pergunta, porque ando triste assim
Ninguêm sabe o que é que eu sinto, com vocé longe de mim
Vejo o sol quando ele sai, vejo a chuva quando cai
Tudo agora é só tristeza, traz saudade de você

Outra vez sem você, outra vez sem amor
Outra vez vou falar mal do mundo, até você voltar
até você voltar, até você voltar

.
O album para download >>aqui
50 Anos de Bossa Nova
.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Tributo a Miriam Makeba

.
Adeus Miriam Makeba
.

Clique aqui
No Martoni Videos uma simples homenagen á esta extraordinária cantora.
.
50 Anos de Bossa Nova

.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Miriam Makeba - Chove Chuva

.
Miriam Makeba, 04-03-1932 - 10-11-2008
.
.
Sempre fui fã de Miriam Makeba..


Mesmo que Miriam não era brasileira tenho motivos de sobra para dedicar este post á ela.
.

.
Por causa da luta contra o "Apartheid" ela era chamada de Mama Africa, de 1963 até 1980 ela viveu fora do pais dela, Africa do Sul, só voltou quando Nelson Mandelo foi libertado da prisão. O primeiro grande sucesso dela foi The Click Song. Ela cantou Pata Pata, outro grande sucesso dela no Rio, com o Sivuca tocando violão. Vejam os videos.(amanhã)



.
Miriam Makeba - Chove Chuva (Jorge Ben Jor)
.



Mas tarde em Nova York, Sivuca e Miriam Makeba trabalharam junto novamente, Sivuca fez um novo arranjo para a música Pata Pata e juntos fizeram viagens pelo mundo inteiro.
Miriam no dia 5 de novembro ainda fez apresentações em Tilburg, Holanda, para chamar atenção para os problemas de idosos em paises desinvolvidos. Que ela tenha paz agora.
.
.
Chove Chuva
do Album Makeba Sings (1965)
está no Radio F&E do Martoni >>>
.
.
Chove Chuva
.
Chove Chuva
Chove sem parar
Chove Chuva
Chove sem parar
.Pois eu vou fazer uma prece
Prá Deus, nosso Senhor
Prá chuva parar
De molhar o meu divino amor...
.
Que é muito lindo
É mais que o infinito
É puro e belo
Inocente como a flôr...
.
Por favor, chuva ruim
Não molhe mais
O meu amor assim
Por favor, chuva ruim
Não molhe mais
O meu amor assim

Chove Chuva
Chove sem parar
Chove Chuva
Chove sem parar
.
50 Anos de Bossa Nova
.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Fafá de Belém e 50 Anos de Bossa Nova

.

Fafá de Belém - Cidade Pequenina (1977) (Caetano Veloso - Roberto Menescal)
.




Cidade Pequenina do album Água está no RADIO F&E do MARTONI  >>>
.

Cidade Pequenina

Água, madrugada
Margarida, verde leve
Luz tranquila, terra clara
Beira mar, vou devagar
Praça, casa branca
Areia fina, na cidade pequenina
Ficou longe meu lugar
Vou devagar

Distante, distante
Da porta, da salaDa mesa, do chão
Do pé de araçá

Eu vim aqui
Pra passeiar
Senhor meu rei
Mandou chamar
Que vim fazer?
Vim procurar
Novas cantigas
Para cantar


.

.